quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

A NECESSIDADE DE ASSUMIRMOS UMA POSTURA DIFERENCIADA


"Disse Deus a Jacó: Levanta-te, sobe a Betel e habita ali; faze ali um altar ao Deus que te apareceu quando fugias da presença de Esaú, teu irmão" - Genesis 35.1

Para muitos 2016 foi um dos anos mais difíceis até então. Foi o ano da “Lava Jato” - operação da Polícia Federal contra a corrupção no governo; foi também foi o ano do segundo do impeachment presidencial, o ano das manifestações nas ruas, do alto índice de desemprego, e da volta da inflação. 2016 foi também o ano das grandes tragédias, como aquela ceifou a vida de quase toda comitiva da Chapecoense.
É provável que diante de toda essa convulsão de sentimentos você, estremecido, já tenha se perguntado: "e aí... como será 2017?"
O texto de Gênesis 35.1 está situado no contexto do provável “2016” de Jacó. Diná sua filha havia sido violentada; os demais filhos de Jacó, revoltados, entraram na cidade e mataram muitos moradores. Jacó, agora teme que esses moradores, revoltados, se voltem contra toda sua família para a exterminar (Gn.34).
Neste exato momento Deus diz a Jacó: 1) Levanta – 2) Sobe a Betel – 3) Habita ali – 4) Faz (a mim) um altar.
Creio que na primeira frase Deus esteja transmitindo a Jacó um precioso princípio, que também se aplica a mim e a você, se quisermos experimentar um 2017 abençoado: ASSUMIRMOS UMA POSTURA DIFERENCIADA.
A primeira coisa que Deus disse a Jacó foi: “LEVANTA!!” - Jacó não estava prostrado fisicamente, mas estava prostrado emocionalmente; e mais, estava prostrado espiritualmente.
Irmãos, há momentos em nossa vida que não podemos nos dar ao luxo de nos abater, de “fazer biquinho”, de ficar de “mimimi”, de nos prostrarmos e correr "para debaixo do cobertor" para "chorar a morte da bezerra". Não!!
Até gente ímpia, como Raul Seixas, já cantou: “Eu que não me sento no trono de um apartamento com a boca escancarada cheia de dentes esperando a morte chegar”.
REAJA, IRMÃO, e acabe com esse mal humor, com esse espírito de pessimismo, negativismo, e murmuração. ASSUMA UMA NOVA POSTURA – “uma postura diferenciada” - Levanta!! Saia da prostração, Jacó!!
Aquele momento era de dificuldade para Jacó? Sim, mas Deus queria escrever uma nova página, uma nova história, um novo momento, porém, Ele (Deus) não trabalha com alguém caído, abatido, cansado, e prostrado.
• Deus disse a Abrão: “Levanta!!”
• Deus disse a Jacó: “Levanta!!”
• Deus disse a Ezequiel: “Filho do homem, põe-te em pé, e eu falarei contigo”.
• Jesus encontrou a mulher encurvada, e a aprumou (Lc. 13.13).
• O filho pródigo começou a ascender espiritualmente quando decidiu: "Levantar-me-ei".
2017 desponta diante de nós com muitas dificuldades, sim, mas, também, com várias e preciosas oportunidades. E grande parte da possibilidade de nosso "sucesso" passará pela postura com a qual enfrentarmos essas diversas circunstâncias. Levanta, Jacó!!
Encerro esta mensagem dando um segredinho que Raul Seixas (como um ímpio que era) não conhecia.
A Palavra de Deus nos diz, em Filipenses 2.13: "porque Deus é quem efetua em vós tanto o querer como o realizar, segundo a Sua boa vontade".
É incrível!! É isso mesmo... Paulo nos ensina que "quando nós nos levantamos é porque Deus nos levantou"; é Ele (Deus) quem efetua em nós TANTO o QUERER, QUANTO o REALIZAR. A RESPONSABILIDADE de nos levantar é NOSSA, mas, quando nos levantamos, SÓ nos levantamos porque DEUS nos levantou. Glórias a Deus; é uma obra "não humana"; é a obra DE Deus EM nós, senão, seria o mero positivismo "raulsexiano". Aleluia!!
Que o Todo-poderoso seja contigo em 2017; que sua postura seja diferenciada, aguerrida, ousada, intrépida, vitoriosa em Cristo Jesus! Levanta; postura, Jacó!!
Deus te abençoe. Um feliz, e abençoado, 2017.

sábado, 3 de setembro de 2016

SALVAÇÃO: POSSIBILIDADE OU REALIDADE?

“e diziam à mulher: Já agora não é pelo que disseste que nós cremos; mas porque nós mesmos temos ouvido e sabemos que este é verdadeiramente o Salvador do mundo” – João 4.42
 Um salvador não é alguém que “possibilita” a salvação; não. Um salvador é alguém que efetivamente salva. Cristo não morreu tão somente para possibilitar  nossa  salvação, mas,  para efetivamente nos salvar. É assim que as escrituras ensinam quando tratam da obra do Salvador. Ela não é uma possiblidade, é uma realidade; não é uma especulação, mas, um fato. Veja o Salmo 40.1,2: “Esperei confiantemente pelo SENHOR; ele se inclinou para mim e me ouviu quando clamei por socorro. Tirou-me de um poço de perdição, de um tremedal de lama; colocou-me os pés sobre uma rocha e me firmou os passos.”
Um dos grandes males dos nossos dias é que boa parte dos crentes não sabe “o que” Cristo realizou por eles. Pensam que Jesus só “colocou uma ponte entre o abismo, e agora, cabe a eles atravessar”. Mas, o que a bíblia diz é que por “Alguém fomos libertados do império das trevas”; e por “Alguém”  fomos transportados para o Reino do Filho do Seu amor” (Cl. 1.13). É por isso que Paulo diz que nós, os salvos, temos a redenção, pelo seu sangue”, e temos “a remissão  (“perdão total”) dos pecados, segundo a riqueza da sua graça” (Ef. 1.7), pois, Cristo nos ressuscitou”, e “nos fez assentar nos lugares celestiais” (Ef. 2.6).
Se você tem dúvidas é porque: 1) Não lhe ensinaram; 2) Ainda não foi salvo; ou, 3) Ainda continua confiando “na carne” (Fp.3.4-8), e não na obra (efetiva) do Salvador. É a bíblia que diz: “quem crê em mim tem a vida eterna” (Jo. 6.47), e mais,  “o que, todavia, se mantém rebelde contra o Filho não verá a vida, mas sobre ele “JÁ”  permanece a ira de Deus” (Jo. 3.36).
Quero convidá-lo a desfrutar (Sl 51.12; 4.7) daquilo que o Senhor lhe dá agora, no presente: a salvação. Ele é de fato o nosso Salvador: “As minhas ovelhas ouvem a minha voz; eu as conheço, e elas me seguem. Eu lhes dou a vida eterna; jamais perecerão, e ninguém as arrebatará da minha mão” (Jo. 10.27,28). A salvação é uma certeza em nossa vida, é uma realidade; o Senhor no-la deu como possessão permanente (Jo. 10.18). Ela não é tão somente uma mera possibilidade, mas, uma realidade.
Concluo com João 5.24: “Quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou tem a vida eterna, não entra em juízo, mas passou da morte para a vida”.
Rev. Valdemir Oliveira dos Santos

quinta-feira, 12 de maio de 2016

SEGURANÇA E ÂNIMO NO SERVIR: RESULTADOS DA GRAÇA DO PERDÃO

“... um dos serafins voou para mim ...” (Is. 6.6)

Após contemplar a glória de Deus (Is. 6.1) o profeta Isaías disse “Ai de mim! Estou perdido...;” no entanto, algo inusitado acontece; o texto diz que “... um dos serafins voou para mim...” (v.6); isso é maravilhoso!
Os  Serafins  (seres  angelicais)  estavam “por cima” do Senhor (Is. 6.1);  o Senhor estava no seu trono. Um dos serafins deslocou-se de onde estava (trono), e foi em direção a Isaías. Este movimento angelical refere-se à Graça de Deus, que, semelhante ao brilho do sol percorre o espaço e chega à terra. A Graça procedente do próprio Deus vem em direção ao homem; não fomos em direção a Deus, Ele veio em direção a nós.
O texto descreve que este serafim trouxe uma brasa vida do altar; o resultado foi (7) “com a brasa tocou a minha boca”. O comentarista bíblico Matthew Henry aplica a ideia de “brasa viva” como sendo a obra expiatória de Cristo que produz o perdão de pecados e segurança neste perdão. Queridos, nada é poderoso para limpar os pecados, consolar e fortalecer a alma, senão aquilo que é procedente da reparação feita por Cristo. É necessário que o pecado seja retirado para que falemos com confiança e intrepidez as sublimes verdades do evangelho.
É por isso que ainda há uma sublime verdade, consequencial do fato do serafim ter voado em direção a Isaías. O texto diz “depois disto” (8), ou seja, depois do pecado ter sido perdoado, que o próprio Senhor disse: “A quem enviarei, e quem há de ir por nós?” Se eu for à sala onde do Culto Infantil e perguntar “Quem quer bala?”, todas as crianças gritarão com muito entusiasmo “Eu, Tio, eu quero!”. Isaías também disse “eis-me aqui, envia-me a mim” (Is. 6. 8)
Isaías respondeu ao Senhor, com grande alegria, ânimo e entusiasmo; seu pecado havia sido perdoado (veja o Salmo 51.7-13; 110.2). As promessas do Senhor são: “ainda que os vossos pecados sejam como a escarlata, eles se tornarão brancos como a neve; ainda que sejam vermelhos como o carmesim, se tornarão como a lã” (Is. 1.18). Esta sólida segurança dispõe o profeta, que antes tinha impuros lábios, a proclamar a vontade do Deus triplamente Santo (Is. 6.3), pois, agora encontrava-se capacitado para proclamar as Palavras que vêm do Senhor.
O Senhor, em Cristo, desceu do céu e veio em direção a nós. Ele nos salvou, perdoou todos os nossos pecados (Cl. 2.13), e nos comissionou para proclamarmos “as virtudes daquele que nos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz” (1ª Pe 2.9). A reação de Isaías deve ser a nossa reação diante do perdão que nos é concedido em Cristo Jesus. É provável que uma das razões da frieza e apatia de muitos crentes, no servir, e no testemunhar a Cristo, seja o desconhecimento daquilo que já foi feito, em Cristo, a seu favor. Deus, conscientiza-nos!!

Seminarista Arnon Barcellos Louzada (2ª parte do sermão pregado na IPCRNS — 02/2016)

Texto adaptado, sem autorização, pelo Rev. Valdemir O. dos Santos

quinta-feira, 31 de março de 2016

A CONDENAÇÃO ETERNA AO INFERNO

Esconderei deles o rosto, verei qual será o seu fim; porque são raça de perversidade, filhos em quem não há lealdade... porque um fogo se acendeu no meu furor e arderá até o mais profundo do inferno...” -  Deuteronômio 32.20,23

O inferno não é fantasia, é uma realidade. Ele é a expressão do justo castigo da parte de Deus ao perverso. As imagens que o descrevem (fumaça, fogo, enxofre, verme...) advertem a todos de um sofrimento tanto intenso quanto perene (Mc. 9.43-46; Ap. 14.9-11).
O questionamento que alguns fazem é: Não é desproporcional o nível de justiça, da parte de Deus? É justo perecer toda eternidade, por alguns pecados que fizemos em alguns instantes na vida? Quem pensa assim desconsidera, pelo menos, os seguintes pontos:
1- A SERIEDADE DE NOSSOS PECADOS - O pecado é algo tão pernicioso que até aqueles que julgamos “mais inofensivos” já são suficientes para nos condenar eternamente ao inferno: “Eu, porém, vos digo que todo aquele que [sem motivo] se irar contra seu irmão estará sujeito a julgamento; e quem proferir um insulto a seu irmão estará sujeito a julgamento do tribunal; e quem lhe chamar: Tolo, estará sujeito ao inferno de fogo” (Mt. 5.22).
2- A GRATUIDADE, O ALTO PREÇO (PAGO POR CRISTO), E A UNIVERSALIDADE DA OFERTA DA SALVAÇÃO – A salvação é de graça (Ef. 2.8,9), mas Cristo pagou já o altíssimo preço (Is. 53,4,5); agora “oferece”, sinceramente o céu a todo que crê em sua obra. É por isso aquele que não crê já este condenado (Jo.3.36) ao inferno, agora no presente. O Juízo Final não será para conhecer os condenados; será para revelar e formalizar a condenação (Ap. 20.11-14).
3- O CARÁTER DO ÍMPIO E A CONTINUIDADE SUA PECAMINOSIDADE (MESMO NO INFERNO) - No inferno, estarão as piores figuras de todos os tempos (Rm 3.9-18); os cães, o feiticeiros, os impuros, os assassinos,  idólatras, e todo aquele que ama e pratica a mentira (Ap. 22.15). Ali estarão  o diabo, a besta e o falso profeta (Ap. 20.10), e todos aqueles que cometeram o pecado da blasfêmia contra o Espírito Santo; o qual, “não lhe é perdoado, nem neste mundo nem no porvir” (Mateus 12.31,32). Estes continuarão no “estado de pecado” eternamente; mesmo no inferno continuarão a ofender, a odiar e blasfemar contra Deus.
4 - A PRIVAÇÃO DA GRAÇA DIVINA E A IMPOSSIBILIDADE DE RETORNO POR CAUSA DO CARÁTER FINAL E DECISIVO - A condenação no inferno principia “o tempo do fim”. Não há qualquer possibilidade de “segunda chance de redenção”. Tal graça somente se aplica aos  que estão vivos no tempo presente; que estes “ouçam Moisés os profetas” (Lc. 16.27-31), e o Espírito os convencerá do pecado (Jo. 16.8). Mas, aos do inferno (Deus) disse: “... está posto um grande abismo entre nós, de sorte que os que querem passar daqui para vós outros não podem, nem os de lá passar para nós” (Lc. 16.26). O caráter desse assunto é final; é decisivo. A porta foi fechada definitivamente. Seus habitantes não podem (e não querem) retornar. Deus também não pode (Ele é justiça e equidade), nem quer retorná-los: Ponto final.

Rev. Valdemir Oliveira dos Santos


sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

A MARAVILHOSA DOUTRINA DA PREDESTINAÇÃO

"Assim como nos escolheu, nele, antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis, perante ele" (Efésios 1.4).
1- O autor: "Deus"
2- A obra: "nos escolheu" (eleição/predestinação)
3- O meio: "nele" (em Cristo).
4- O tempo: "Antes da fundação do mundo" (isso sim, é graça!)
5- O propósito: "para sermos santos e irrepreensíveis".
6- O padrão (da santificação): "perante ele" (Deus).

Negar esta maravilhosa doutrina é negar o que a bíblia diz, e consequentemente, limitar os decretos de Deus ao nível das especulações (finitas e pecadoras) humanas.
O que muitos não entendem é o fato de que o homem, em Adão, encontra-se morto em delitos e pecados, não está em "estado de neutralidade" diante de Deus.
Posso ser sincero e dizer: "Deus eu não entendo..." O que não posso (e não devo me atrever) é negar o que a bíblia (claramente e abundantemente) diz. Isso sim, é extremamente perigoso!!

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

GAIO, DIÓTREFES, OU DEMÉTRIO - OS 03 TIPOS DE CRENTES NA 3ª CARTA DE JOÃO (PARTE 2)

1.9   Escrevi alguma coisa à igreja; mas Diótrefes, que gosta de exercer a primazia entre eles, não nos dá acolhida. 1.10   Por isso, se eu for aí, far-lhe-ei lembradas as obras que ele pratica, proferindo contra nós palavras maliciosas. E, não satisfeito com estas coisas, nem ele mesmo acolhe os irmãos, como impede os que querem recebê-los e os expulsa da igreja.
1.11   Amado, não imites o que é mau, senão o que é bom. Aquele que pratica o bem procede de Deus; aquele que pratica o mal jamais viu a Deus - (3ª João)

João escreveu cinco livros no N.T: o evangelho de  João, o livro do Apocalipse e 3 epístolas.  A Terceira Epístola (carta) de João é, sem dúvida, uma das cartas menos lidas, e menos pregadas do Novo Testamento; ela contém apenas catorze versículos e é dirigida num tom bem  particular (1).
Apendemos nesta epístola sobre 03 homens: Gaio (1), Diótrefes (9), e Demétrio (12) que bem podem simbolizar os 03 tipos de crentes presentes na igreja. Analisemos rapidamente, nesta segunda parte, como reagem aqueles crentes que vivem a vida ao “Estilo Diótrefes”.

2- O CRENTE TIPO “DIÓTREFES” – 1:9-10; 11 – O “CRENTE PAVÃO”
1.9   Escrevi alguma coisa à igreja; mas Diótrefes, que gosta de exercer a primazia entre eles, não nos dá acolhida. 1.10   Por isso, se eu for aí, far-lhe-ei lembradas as obras que ele pratica, proferindo contra nós palavras maliciosas. E, não satisfeito com estas coisas, nem ele mesmo acolhe os irmãos, como impede os que querem recebê-los e os expulsa da igreja.
1.11   Amado, não imites o que é mau, senão o que é bom. Aquele que pratica o bem procede de Deus; aquele que pratica o mal jamais viu a Deus.

2.1. Diótrefes era amante dos Holofotes – v. 10
1.9   Escrevi alguma coisa à igreja; mas Diótrefes, que gosta de exercer a primazia entre eles, não nos dá acolhida
No caráter e na conduta, Diótrefes era inteiramente diferente de Gaio. Ele queria ter a preeminência na igreja; ele se ama mais do que aos outros. Jesus não ocupava a primazia na vida de Diótrefes. Por isso, ele não dá acolhida ao apóstolo João.
A rejeição possivelmente não era doutrinária, mas pessoal. Os motivos que governavam a conduta de Diótrefes não eram nem teológicos nem sociais nem eclesiásticos, mas morais. Ele estava ávido de posição e poder.
DIÓTREFES É O TIPO DE “CRENTE PAVÃO”; QUERIA SER O CENTRO DAS ATENÇÕES. Ele olhava para João como um rival e não como um apóstolo de Cristo. Satanás estava trabalhando na igreja através de Diófrefes, porque ele estava operando sobre a base do orgulho e da auto-glorificação, as duas principais armas do diabo.
IRMÃOS,  na igreja de Cristo todos estamos nivelados no mesmo patamar: somos servos. Não espaço para donos, para chefes, para buscar aplausos de homens.

2.2- Diótrefes era um ditador: Impunha sua influência pela força e pela intimidação;  e projetava-se falando mal dos outros.
1.10 Por isso, se eu for aí, far-lhe-ei lembradas as obras que ele pratica, proferindo contra nós palavras maliciosas
Sua vontade é lei. Ninguém podia ocupar o seu espaço. Cada pessoa que chegava na igreja era uma ameaça à sua liderança. Por isso, ele não dava acolhida a João. Diótrefes inventou mentiras sobre o apóstolo João. Seu prazer era atentar contra a honra daqueles que eram ameaça ao seu orgulho e à sua posição de liderança. Ele cometia um abominável pecado mais abominável ; espalhar intriga entre os irmãos (Pv 6:16-19).
Nós precisamos ter cuidado para não dar guarida a tudo que ouvimos e lemos sobre boatos e fofocas espalhados contra os servos de Deus. Eles podem estar sendo espalhados por membros de igreja como Diótrefes. Rem muita gente destruída na igreja porque foi vítima de fofoca, intriga de boatos maldosos.

2.3. Diótrefes Exercia a autoridade para punir aqueles que discordavam com ele – v. 10c
E, não satisfeito com estas coisas, nem ele mesmo acolhe os irmãos, como impede os que querem recebê-los e os expulsa da igreja. 1.11   Amado, não imites o que é mau, senão o que é bom. Aquele que pratica o bem procede de Deus; aquele que pratica o mal jamais viu a Deus”.  
Diótrefes não tinha nem autoridade nem base bíblica para expulsar as pessoas da igreja. A disciplina que ele praticava era abusiva. As pessoas eram disciplinadas não porque haviam desobedecido a Palavra de Deus, mas porque haviam desobedecido uma ordem autoritária dele.
Você já viu gente assim? Não traz nenhum, mas, expulsa 10. Irmãos, igreja não é uma delegacia. Ela não trata as pessoas com chibata. Os ditadores, os xerifes de igreja são pessoas perigosas e devem ser confrontadas.
Veja o que João promete fazer - 1.10: “Por isso, se eu for aí, far-lhe-ei lembradas as obras que ele pratica, proferindo contra nós palavras maliciosas”. Como se diz popularmente “o bicho ia pegar”. João iria confrontar Diótrefes “cara a cara,” “olho no olho”.
Veja que Paulo já havia feito isso, confrontando Pedro – Gálatas 2:11-14: “Quando, porém, Cefas veio a Antioquia, resisti-lhe face a face, porque se tornara repreensível. 2.12   Com efeito, antes de chegarem alguns da parte de Tiago, comia com os gentios; quando, porém, chegaram, afastou-se e, por fim, veio a apartar-se, temendo os da circuncisão. 2.13   E também os demais judeus dissimularam com ele, a ponto de o próprio Barnabé ter-se deixado levar pela dissimulação deles. 2.14   Quando, porém, vi que não procediam corretamente segundo a verdade do evangelho, disse a Cefas, na presença de todos: se, sendo tu judeu, vives como gentio e não como judeu, por que obrigas os gentios a viverem como judeus?”.
Crentes Diótrefes são crentes autoritários; são destrutivos, pois, são amantes de si mesmo,  são fofoqueiros, espalhadores de contendas maliciosas. É o tipo de crente que afasta as pessoas da igreja. Eles julgam; eles condenam todos aqueles que discordam deles. Eles lutam não pela glória de Deus, mas pela projeção dos seus próprios nomes.
Que tipo de crente você é?

CONCLUSÃO
Na igreja visível há salvos e perdidos. Há crentes genuínos e crentes falsos. Há os que amam a Deus e buscam a sua glória e aqueles que amam a si mesmos e estão interessados apenas na sua própria glória.
Há gente que trabalha com Deus e para Deus, mas também, há os que trabalham para si mesmos e contra Deus. Há trigo e joio. Há ovelhas e lobos. Onde há pessoas, há problemas e também possibilidade de resolver os problemas. Cada um de nós deve perguntar para si com honestidade: eu sou parte do problema ou a uma parte da solução do problema? Eu sou um crente ao estilo Diótrefes?
DICA FINAL PARA O CRENTE QUE VIVE AO “ESTILO DIÓTREFES” NA TERCEIRA CARTA DE JOÃO:
1- VIGIE A CARNE PARA NÃO ROUBAR A GLÓRIA QUE É DEVIDA A DEUS, E TORNAR-SE “PEDRA DE TROPEÇO”, NA IGREJA DE DEUS.

HUMILHE-SE PERANTE O SENHOR; CUIDADO COM A “NECESSIDADE DE ELOGIOS”; FILTRE O QUE OUVIR, CUIDADO COM A SOBERBA E A AUTOSSUFICIÊNCIA, E JULGAMENTOS PRECIPITADOS.

O PUDIM DA MINHA MÃE


"Oh! Provai e vede que o Senhor é bom! Bem-aventurado o que nele se refugia" (Salmo 34:8).

"Quando a Bíblia fala para provarmos que Deus é bom, não é com o intuito de testarmos a Deus pra saber se Ele é bom ou não. Nós sabemos que Deus é bom!!! Todas as vezes que ouço essa expressão (provai que o Senhor é bom), lembro do pudim de minha mãe. Eu sei que é bom! Sei que estará delicioso! Mas não me contento só em olhar. Sinto vontade de provar. E como é bom saborear!!!!
Porém, muitas pessoas tem receio de provar que o Senhor é bom. Porque isso exige abrir mão de sua auto-suficiência. Exige crer, confiar e se entregar. Mas vale a pena!!! Pois bem melhor que ver e saber é experimentar!"
Rev. Alberto Sperber